Renan evita comentar se emissora de rádio é de seu filho

Ele quis deixar claro que concessão não é uma decisão isolada do presidente do Senado

Rosa Costa, dp Estadão

09 de agosto de 2007 | 15h14

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) evitou dizer nesta quinta-feira, 9, se a JR Rádio Difusora , que o Senado renovou a concessão, é do seu filho, José Renan. Ele limitou-se apenas a falar dos procedimentos para liberar a concessão. Renan quis deixar claro que não é uma decisão isolada do presidente do Senado.    "O presidente do Senado despacha o expediente. Ele informa as pessoas o que acontece. Não é o Congresso que aprova. São as comissões técnicas. Às vezes as pessoas divulgam as coisas e não prestam atenção no que fazem", disse Renan.   Na última terça-feira, mesmo dia em que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) deixou a sua cadeira de presidente do Senado e foi à tribuna para se defender das acusações de utilizar laranjas para erguer um império regional na área de comunicação, a Casa autorizou a concessão para a rádio JR Rádio Difusora Ltda.   Detalhe: o ato que autorizou a concessão foi assinado por Renan Calheiros, por ser o presidente do Senado e do Congresso, e publicado na edição de ontem do Diário Oficial da União, e a emissora está em nome de seu filho, José Renan Calheiros Filho, de Carlos Ricardo Nascimento Santa Rita e de Ildefonso Antonio Tito Uchoa Lopes.PSDB, DEM e PSOL estão movendo processo por quebra de decoro parlamentar contra Renan Calheiros, justamente porque, contra ele, pesa a suspeita de ser o dono desta e de outras emissoras, e de utilizar laranjas como sócios. Santa Rita é funcionário do senador peemedebista em Brasília e Tito Uchoa é empresário e primo de Renan.A autorização para a concessão de emissoras é sempre assinada pelo presidente do Senado, por se tratar de decisão do Congresso. Mas não é usual que a emissora esteja em nome de um filho ou de empregados ou parentes dele.    

Tudo o que sabemos sobre:
RenanrádiodenúnciaSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.