Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Renan entra em conflito com tucanos sobre formação da mesa do Senado

Contrariado com o apoio do PSDB ao adversário, ele pediu que o partido indicasse a senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) para primeira-secretária do Senado, mas sigla optou por Paulo Bauer (PSDB-SC)

ISADORA PERÓN E ERICH DECAT, Estadão Conteúdo

03 Fevereiro 2015 | 22h01

Brasília - Após ser reconduzido no último domingo, 1º, pela quarta vez à presidência do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) entrou em conflito com a oposição que apoiou o senador Luiz Henrique (PMDB-SC). Contrariado com o apoio do PSDB ao adversário, ele pediu que o partido indicasse a senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) para o posto de primeira-secretária do Senado, que é mais próxima a ele. Mas os tucanos não aceitaram a sugestão e optaram pelo nome do senador Paulo Bauer (PSDB-SC).

O regimento interno do Senado determina que a composição da Mesa deve atender "tanto quanto possível" o critério da proporcionalidade dos partidos. Seguindo essa lógica, o PSDB, por ter a terceira maior bancada da Casa, teria direito a indicar uma pessoa para ocupar a primeira-secretaria. "Lúcia Vânia não disputará. Ela fez um gesto de generosidade, atendeu a um apelo pessoal que lhe fiz", afirmou o senador Aécio Neves (PSDB-MG), após uma reunião com integrantes do partido.

Nesta terça, Renan disse que estava trabalhando para conter as candidaturas avulsas e chegar a um consenso para a montagem da mesa. Ele afirmou que o fato de ter havido disputa para a presidência estimulava esse tipo de postura dos outros partidos. "Um dos poucos critérios que temos é a proporcionalidade e quando você desestimula isso você anima candidaturas de diferentes partidos e isso precisa ser contornado", disse Renan.

Mais conteúdo sobre:
Senado Renan Calheiros PSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.