Renan diz que PMDB nunca fechou questão em favor de Temer

Senador contradiz presidente do partido, Romero Jucá, que ameaçou dissidentes em rede social

Pedro Venceslau e Elizabeth Lopes, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2017 | 09h27

No dia da votação da admissibilidade da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer, no plenário da Câmara dos Deputados, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), que já foi líder do partido na Casa, disse nesta quarta-feira, 2, que o PMDB nunca fechou questão para salvar o mandato do correligionário. "Nunca houve fechamento de questão no PMDB", disse ele, em entrevista à rádio CBN, emendando: "Evidentemente que vai haver dissidência na bancada do PMDB."

A declaração contraria o anúncio feito na terça-feira, 1, pelo presidente da legenda, senador Romero Jucá (RR), em sua conta no Twitter. De acordo com Jucá, o partido fechou questão em relação à denúncia contra o presidente Temer. E ameaçou os dissidentes: "Reafirmo que, como presidente do partido, qualquer ato em contradição a essa decisão sofrerá consequências". Mesmo com a afirmativa, a bancada na Câmara não está afinada com essa determinação, dentre eles, Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) que foi o primeiro relator da denúncia na CCJ, que foi derrotado e preterido por um parecer favorável a Temer.

Na entrevista à CBN, Renan criticou o governo Temer, dizendo que "com a cooptação de parlamentares" deverá atingir 2/3 dos votos. "Acho que a oposição não deveria dar quorum. Seria inexplicável no futuro participar de um jogo de cartas marcadas pela cooptação de parlamentares. A oposição não deveria comparecer." Ainda nas críticas, o peemedebista disse que é público e explícito o fisiologismo no governo Temer. "O governo está implodindo o ajuste que se impôs, a revisão da meta é um horror. É mentira que houve aumento de emprego, a reforma trabalhista foi exagerada", disparou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.