Renan diz que não permitirá abertura de CPI dos Sanguessugas

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deixou claro, hoje, que não permitirá a abertura da CPI dos Sanguessugas para investigar o envolvimento de parlamentares na venda superfaturada de ambulâncias. Na opinião do senador, as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal são suficientes. "CPI só tem sentido se não tem investigação (por outras instituições), e este não é o caso", disse Renan Calheiros.Parlamentares do PPS, PSOL e PV devem entrar no Supremo Tribunal Federal(STF) com uma ação pedindo a instalação da CPI. Eles ainda vão avaliar se será um mandado de segurança ou Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin).Operação A Polícia Federal efetuou uma série de prisões, no dia 4 de maio, na chamada Operação Sanguessuga, de pessoas suspeitas de envolvimento na fraude, que já teria movimentado R$ 110 milhões. Entre os presos estavam dois deputados, assessores de parlamentares, empresários e uma funcionária do Ministério da Saúde. De acordo com a PF, o esquema funcionava desde 2001 e consistia na oferta, por parte da empresa Planam, do Mato Grosso do Sul, de ambulâncias para as prefeituras de todo o País e empresas não-governamentais que recebem ajuda do governo. As compras eram feitas por meio de licitações irregulares, a valores superfaturados. Grampos telefônicos realizados pela PF e pelo Ministério Público Federal em Cuiabá revelaram a ligação entre parlamentares e integrantes da quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.