Marcelo Camargo|Agência Brasil
Marcelo Camargo|Agência Brasil

Renan diz que ligou hoje para Cunha e que deputado 'estava normal'

Presidente do Senado afirma ter ligado na casa do presidente da Câmara para marcar a sessão do Congresso; celular de Cunha foi apreendido pela Polícia Federal a pedido da Procuradoria Geral da República

Adriano Ceolin, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2015 | 13h27

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), assistiu de sua casa à movimentação das ações de busca e apreensão na residência oficial da Presidência da Câmara, onde mora o presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os dois imóveis ficam na mesma quadra, na península dos Ministros, endereço mais nobre de Brasília.

"Liguei no telefone fixo da casa, pois Eduardo estava sem celular", contou Renan. Cunha teve o telefone celular apreendido pela Polícia Federal a pedido da Procuradoria Geral da República. "Liguei para marcar a sessão do Congresso", explicou. O presidente do Senado afirmou que Cunha não lhe pareceu nervoso. "Estava normal", disse.

Desde julho, quando as investigações da Lava Jato recrudesceram, Cunha e Renan adotaram posturas opostas. Enquanto o senador aproximou-se do governo, o deputado partiu para o confronto. Há duas semanas, Cunha decidiu aceitar um pedido de impeachment contra a presidente Dilma. Renan, nos bastidores, tem se posicionado contra.

Na sexta-feira passada, Renan encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma manifestação sobre o impeachment em que diz que o Senado não é obrigado a acatar uma eventual decisão da Câmara.

Amanhã, o STF decide uma ação que pode garantir que o Senado seja o responsável por afastar a presidente da República mesmo que a Câmara aprove a autorização de abertura de processo de impeachment.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.