Estadão
Estadão

Renan diz que atuará para votar logo eventual recondução de Rodrigo Janot

Presidente do Senado afirma que pretende acelerar votação de novo chefe da Procuradoria-Geral da República, mesmo que o indicado por Dilma seja o atual ocupante do cargo, que pediu investigação de políticos citados na Lava Jato

ISADORA PERON e RICARDO BRITO, O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2015 | 12h41

BRASÍLIA - No primeiro dia após a volta do recesso parlamentar, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), fez questão de afastar as especulações de que poderia segurar a votação que decidirá sobre a eventual recondução do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, para o cargo de chefe do Ministério Público.

“Eu não amesquinharei o cargo de presidente do Congresso Federal”, disse, mesmo sem ser questionado sobre o assunto.

Renan afirmou ainda que vai procurar colocar o nome do indicado em votação no plenário no mesmo dia em que ele for sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

“Do ponto de vista do cargo que exerço, tão logo a presidente indique o nome, seja quem for, eu despacharei para a Comissão e Constituição e Justiça. Vou combinar com os líderes para nós apreciarmos no plenário do Senado no mesmo dia que ele for apreciado pela comissão”, afirmou.

A eleição interna do Ministério Público será realizada nesta quarta-feira, 5. Se Janot encabeçar a lista tríplice, a presidente Dilma Rousseff deve indicá-lo para um novo mandato - o atual termina em 17 de setembro. Depois, o nome do indicado terá que ser sabatinado pela CCJ e passar pelo crivo do plenário do Senado, em votação secreta.

Renan é um dos 13 senadores alvo da Operação Lava Jato e, nos bastidores, não tem escondido o seu descontentamento diante do fato de Janot ter incluído o seu nome na lista de autoridades investigadas pela PGR. O clima hostil ao procurador-geral no Senado aumentou ainda mais depois da Operação Politeia, que no mês passado realizou buscas e apreensões em imóveis de três integrantes da Casa.

Dirceu. O presidente do Senado evitou comentar a prisão do ex-ministro José Dirceu na nova fase da Operação Lava Jato, realizada na segunda-feira. Segundo Renan, não cabe a ele fazer pré-julgamentos. “Todo homem público tem que prestar explicações à Justiça, mas eu não quero colaborar para pré-julgar nada, absolutamente nada”, disse.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.