André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Renan diz não ter a 'menor preocupação' com julgamento no STF

Presidente do Senado minimiza decisão da Corte de incluir na pauta procedimento proposto pela Rede que questiona se linha sucessória da Presidência pode incluir quem responde a ação penal

Ricardo Brito e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2016 | 19h42

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), minimizou o fato de a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, ter incluído na pauta da quinta-feira da próxima semana, 3, o julgamento de uma ação que pode ameaçá-lo do cargo. "Absolutamente, não tenho a menor preocupação", disse Renan.

O plenário do STF analisará uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) apresentada pelo partido Rede Sustentabilidade, que argumenta que o presidente da República não pode, no exercício das suas funções, responder a ações penais por crimes comuns. Renan, alvo de 11 inquéritos no Supremo, está na linha sucessória, após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).  

No dia 4 deste mês, o ministro do STF Edson Fachin liberou para julgamento uma denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente do Senado. Na acusação, a PGR considerou que Renan recebeu propina pela construtora Mendes Júnior para apresentar emendas que beneficiariam a empreiteira. Em troca, o peemedebista teria as despesas pessoais da jornalista Monica Veloso, com quem mantinha relacionamento extraconjugal, pagas pela empresa. A data da análise da denúncia pelo plenário do STF será definida pela ministra Cármen Lúcia, que é responsável por definir a pauta de julgamento de cada sessão. 

Esse é o caso criminal mais avançado contra o presidente do Senado. Se a denúncia for recebida pela Corte, ele se tornaria réu.

"Não sou réu, essa investigação de 2007 foi pedida por mim. É uma investigação. Entreguei todos os meus sigilos, pedi investigação e há poucos dias estive no STF pedindo para pautar essa matéria. Ninguém mais do que eu tem tanta pressa com esse esclarecimento. Sou o maior interessado no julgamento dessa denúncia. Ninguém mais do que eu, porque pedi a investigação, prestei depoimento e quero que isso se decida imediatamente. De modo que não tenho nenhuma preocupação nesse assunto", completou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.