Renan diz não se sentir excluído da reunião de líderes

'Por acaso sou líder?', perguntou o presidente do Senado sobre encontro marcado para esta terça-feira

Agência Brasil

25 de setembro de 2007 | 11h19

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse não se sentir excluído da reunião de líderes marcada para a tarde desta terça-feira, 25. "Por acaso eu sou líder?", indagou ao chegar ao Senado. "Pelo contrário, eu quero que os líderes se entendam, se acertem em relação à pauta e ao calendário", acrescentou. A reunião com os líderes dos partidos vai tentar diminuir a obstrução que a oposição faz desde que Renan Calheiros foi absolvido do processo por quebra de decoro parlamentar no último dia 12, além de definir uma pauta de votações na Casa. Essa reunião se realiza sem a presença de Renan. "Tenho procurado estimular as reuniões de líderes", afirmou. Renan Calheiros voltou a afirmar que tem com a oposição "o melhor relacionamento pessoal" e que tem enfrentado com "dignidade" a pressão feita pelos oposicionistas na obstrução das votações em plenário. "Política é política, é preciso compreender os seus limites. Acho que o teste da coragem é defender a dignidade sob pressão." Quanto à decisão do senador Almeida Lima (PMDB-SE) de protocolar no Supremo Tribunal Federal pedido para que todas as votações relacionadas à perda de mandato na Casa sejam fechadas, Renan Calheiros disse que essa é uma decisão que cabe apenas ao STF. "Há muita polêmica, porque o voto aberto difere do fechado. O aberto expõe a pessoa à pressão do poder econômico, do poder da política e de setores da mídia. Se faz voto fechado justamente para que isso não aconteça", comentou. A expectativa é que a decisão do Supremo seja divulgada ainda nesta terça-feira antes da votação do segundo processo contra Renan Calheiros no Conselho de Ética, marcada para quarta-feira, 26. Nesse processo, o senador é acusado de ter favorecido a cervejaria Schincariol junto ao INSS depois que a empresa comprou uma fábrica do irmão dele por um preço acima do de mercado. Estímulo O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) afirmou que tem estimulado as conversas entre os líderes partidários, de maneira que os senadores cheguem a um entendimento sobre a pauta de votações na Casa. "Eu quero que todos os líderes se entendam e acertem em relação à pauta e ao calendário. Isso será muito bom para o País. O Brasil precisa que o Senado trabalhe e vote as coisas de interesse do País", disse Renan.   Nesta quarta, o Conselho de Ética se reunirá para a apresentação do relatório relativo à representação contra Renan, sobre suposto favorecimento da cervejaria Schincariol, por intermédio de Renan, junto ao INSS e à Receita Federal. O relator da representação, João Pedro (PT-AM) já admitiu que vai defender o sobrestamento (a suspensão) da matéria até que se concluam as investigações sobre o mesmo assunto na Câmara dos Deputados. Texto atualizado às 17h30

Mais conteúdo sobre:
RenanSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.