Renan deve renovar até 5ª licença por 30 dias, dizem fontes

Fonte diz que Renan está sendo aconselhado a antecipar licença como gesto de 'boa vontade' ao Planalto

Christiane Samarco, do Estadão

21 de novembro de 2007 | 13h32

O presidente licenciado do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), deve anunciar nas próximas 24 horas a renovação de sua licença do cargo por mais 30 dias, informou à Agência Estado,  um senador da base aliada que acompanha as negociações em torno do processo em que o Conselho de Ética pede a cassação do mandato do parlamentar alagoano por quebra do decoro.A primeira licença, de 45 dias, vencerá no próximo dia 26.     Veja também:  Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan   CPMF e caso Renan serão votados em dezembro, diz Tião Viana    O senador da base aliada relatou que Renan está sendo aconselhado a antecipar o anúncio da renovação da licença como gesto de boa vontade em relação ao Palácio do Planalto, que teme que a abertura do processo sucessório no PMDB - ao qual caberá a escolha do novo presidente do Senado - tumultue ainda mais o ambiente político criado em torno da votação da emenda que prorroga até 2011 a vigência da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).   O mesmo senador governista avalia que o "gesto de boa vontade" vem em boa hora, uma vez que, na última terça, Renan ameaçou reassumir a presidência do Senado na próxima segunda-feira caso fosse abandonado pelo governo e seus aliados na votação do processo que pede a cassação do seu mandato.   Um amigo de Renan adverte que a possibilidade de ele reassumir o cargo é pequena, mas continua na mesa, e o presidente licenciado quer deixar claro que não está fora do jogo político e não aceita ser "rifado" pelo governo.     Nesta quarta, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta quarta-feira, 21, que o PMDB, "por direito", deve indicar um eventual sucessor de Renan na hipótese de o senador renunciar definitivamente à presidência do Senado. Na entrevista, Lula evitou comentar sobre os nomes na disputa. "Não sei quantos candidatos têm e quantos candidatos vão sair. Só acho que, por direito, o candidato tem que ser do PMDB", afirmou.   Após participar de solenidade de anúncio de investimentos da Petrobras na área social, Lula avaliou que cabe ao partido discutir o preenchimento do cargo. "O PMDB é que tem de se reunir internamente e escolher", disse. Lula fez uma ressalva: "Se isso for acontecer, porque, por enquanto, o Renan é o presidente licenciado".   O presidente interino do Senado, Tião Viana (PT-AC), também disse, nesta manhã, que cabe a Renan assumir ou não o cargo. Ao comentar reportagem do Estado, segundo a qual Renan estaria pensando em reassumir o cargo na próxima segunda-feira como reação ao adiamento da votação do processo contra ele, Tião criticou o "ambiente de especulações".  

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.