Renan deve pedir nesta terça arquivamento da CPI do Lula

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deverá pedir o arquivamento da CPI do Lula. Na semana passada, o senador Almeida Lima (PMDB-SE) conseguiu 34 assinaturas para a criação de uma comissão encarregada de investigar as relações entre o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, e a família do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O requerimento deverá ser considerado sem validade por Renan sob o argumento de que não trata de um fato específico.O destino da CPI do Lula será decidido provavelmente hoje. Renan Calheiros solicitou à assessoria jurídica do Senado a análise detalhada do requerimento, que foi assinado somente por senadores de oposição. O presidente do Senado quer ter argumentos jurídicos para enterrar o pedido de criação da Comissão. A aliados, ele confidenciou que não pretende arcar sozinho com o ônus de arquivar a CPI do Lula. Renan também não está disposto a transferir a decisão sobre o destino da CPI para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, comandada pelo senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA). O presidente do Senador quer evitar valorizar demais ACM, principalmente em um ano eleitoral. Apesar de terem assinado o requerimento, os oposicionistas admitem que a nova Comissão tem por objetivo desgastar o governo federal. Reconhecem ainda que dificilmente a CPI irá à frente nas investigações sobre as relações de Lula com Okamotto. O requerimento apresentado na semana passada lista cinco fatos para serem apurados pela CPI, no prazo de seis meses. JustificativasA CPI do Lula quer apurar a violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa junto à Caixa Econômica Federal (CEF). Propõe também que seja investigada a relação entre Paulo Okamotto e o presidente Lula. Okamatto, que foi tesoureiro de campanhas petistas e é amigo de Lula, teria pago uma dívida de R$ 29,4 mil do presidente com o PT. O requerimento prevê ainda a apuração da relação de Fábio Luiz Lula da Silva, filho do presidente da República, com a Telemar. A empresa de telefonia comprou ações da Gamecorp, que é de propriedade de Fábio Lula, por R$ 5 milhões. A Comissão de Inquérito quer ainda apurar o eventual tráfico de influência de familiares do presidente Lula. O requerimento cita o caso de um irmão do presidente, Genival Inácio da Silva, conhecido como Vavá, que teria tentado intermediar demandas de empresários junto a estatais. Por último, o requerimento da CPI do Lula quer investigar a origem e o destino dos US$ 100 mil encontrados na cueca do assessor parlamentar José Adalberto Vieira da Silva, no ano passado. José Adalberto era assessor do deputado petista do Ceará José Nobre Guimarães, que é irmão do ex-presidente do PT José Genoino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.