Renan descarta renúncia, mas cogita renovar licença do Senado

Após 10 dias, o senador reassume seu mandato; licença da presidência da Casa termina no dia 25

Andréia Sadi, do estadao.com.br

06 de novembro de 2007 | 16h06

O presidente licenciado do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) - que reassume seu mandato nesta terça-feira, 6 - descarta renunciar, mas estuda renovar a licença de 45 dias da cadeira, segundo informou sua assessoria. "Não há essa conversa de renúncia, ele pode, sim, renovar a licença, que acaba dia 25 (de novembro) dependendo do ambiente político do Senado".  Veja também:Após dez dias fora, Renan reassume mandato no Senado Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan   A assessoria negou ainda que haja no PMDB uma disputa pela sucessão de Renan. "Ficou decidido que não haveria discussão deste assunto (sucessão), até em respeito ao senador. Só se discute isso quando há uma vaga, e neste caso, não há. Ele só está licenciado, o cargo é dele". Durante a licença de Renan, quem assumiu a presidência da Casa interinamente foi o petista Tião Viana (AC), o que acalmou os ânimos dos senadores para aprovar a prorrogação da CPMF. No retorno de Renan ao Senado nesta tarde, não está previsto nenhum discurso, embora o senador esteja preparado para "ser provocado pela oposição", informou a assessoria ao estadão.com.br.  Além de deixar temporariamente o comando do Senado, Renan havia pedido dez dias de licença médica, que venceu na última sexta-feira. Renan está afastado da presidência desde o dia 11 de outubro, por um período de 45 dias. Quebra de decoro Renan é alvo de cinco acusações por quebra de decoro. Ele é acusado de beneficiar uma cervejaria junto ao INSS, ser dono oculto de duas emissoras de rádio em Alagoas, participar de um esquema de propina do PMDB, de espionagem e de fazer emenda orçamentária para beneficiar empresa fantasma.  No dia 12 de setembro, ele foi absolvido do primeiro processo, que o acusava de ter despesas pessoais pagas por um lobista da construtora Mendes Júnior. O dinheiro seria destinado a uma pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem o senador tem uma filha de três anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.