Renan defende aprovação do PAC e reformas ´estruturantes´

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defendeu nesta sexta-feira, em discurso na abertura dos trabalhos legislativos deste ano, a aprovação das medidas contidas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da economia, anunciado pelo governo no último dia 22. Renan fez, porém, a ressalva de que o PAC é apenas o primeiro passo e afirmou que o Congresso precisa discutir, paralelamente, as "reformas estruturantes" de que o País precisa, como "a reforma tributária, a política, a trabalhista e a sindical". Segundo Renan, o papel do Congresso é "pisar fundo nas reformas e retirar os empecilhos aos investimentos internos e externos." Ele afirmou que "não será por inércia do Congresso Nacional que a discussão ficará parada. Ninguém tem dúvida de que é preciso votar uma agenda de desenvolvimento para o País, mas ela pode ser compatibilizada com as reformas", discursou. Dessa forma, segundo ele, serão ouvidos todos os segmentos da sociedade. "Ouviremos, com certeza, a posição dos governadores sobre a perspectiva de renúncia fiscal. Também ouviremos representantes dos trabalhadores e as sugestões da iniciativa privada e todos os outros agentes envolvidos", disse o presidente do Senado. Segundo ele, a concretização do PAC depende de sua implementação. Renan disse ter certeza de que será encontrada uma forma serena para que esse processo ocorra. Na avaliação do senador, mesmo com a desaceleração da economia dos Estados Unidos, as projeções apontam para um crescimento de 6% nos países emergentes, "e o Brasil tem potencial e tamanho" para seguir os passos de outros emergentes. Citou o controle da inflação e o aumento das reservas internacionais - as quais, segundo ele, podem atingir US$ 100 bilhões. Destacou que, pelo quinto ano consecutivo, o Brasil terá superávit em transações correntes, e o saldo da balança comercial em torno de US$ 45 bilhões, como em 2006 e 2005. "O papel do Congresso é pisar fundo nas reformas e retirar os empecilhos aos investimentos internos e externos", conclui Renan. "As reformas devem ter o dínamo do tamanho da vontade do eleitor e em nenhuma hipótese devem ser adiadas ou procrastinadas e lá adiante serem vítimas de contaminações eleitorais", disse Renan. Ele destacou que quando mencionou a tranqüilidade política não se referia à unanimidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.