Renan decide destino da ´CPI do Lula´ na terça-feira

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), decide na terça-feira, dia 25, o destino da CPI do Lula. O requerimento com 34 assinaturas de senadores para criar a nova CPI foi apresentado nesta quarta-feira pelo senador Almeida Lima (PMDB-SE). O pedido prevê a investigação de cinco fatos específicos que envolvem a família do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e suas relações com o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, e por isso há dúvidas sobre a validade do requerimento.Renan vai se resolver se o requerimento precisa ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O presidente do Senado poderá, no entanto, decidir ele próprio sobre a validade do requerimento. O mais provável é que Renan deixe a CCJ se pronunciar sobre o pedido para instalar a CPI do Lula. Apesar de terem assinado o requerimento, os oposicionistas reconheceram que a nova comissão tem por objetivo desgastar o governo federal e que dificilmente irá à frente em um ano eleitoral. "Não se quer passar para a sociedade a conotação de que está se querendo complicar a situação pessoal de alguém. O nosso objetivo é investigar. Mas há cautela para não parecer que as investigações têm interesse pessoal", disse o líder do PFL no Senado, José Agripino Maia (RN).O requerimento lista cinco fatos que serão apurados pela CPI, no prazo de seis meses. O primeiro deles pede a apuração da violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa, o Nildo, junto à Caixa Econômica Federal. Em seguida, a nova CPI propõe que seja investigada a relação entre Paulo Okamotto e o presidente Lula. Okamatto, que foi tesoureiro de campanhas petistas e é amigo de Lula, teria pago uma dívida de R$ 29,4 mil do presidente com o PT.O requerimento também prevê a apuração da relação de Fábio Luiz Lula da Silva, filho do presidente da República, com a Telemar. A empresa de telefonia comprou ações da Gamecorp, que é de propriedade de Fábio Lula, por R$ 5 milhões. A nova Comissão de Inquérito quer ainda apurar o eventual tráfico de influência de familiares do presidente Lula. O requerimento cita o caso de um irmão do presidente, Genival Inácio da Silva, conhecido como Vavá, que teria tentado intermediar demandas de empresários junto a estatais.O requerimento da CPI do Lula também quer investigar a origem e o destino dos US$ 100 mil encontrados na cueca do assessor parlamentar José Adalberto Vieira da Silva, no ano passado. José Adalberto era assessor do deputado petista do Ceará José Nobre Guimarães, que é irmão do ex-presidente do PT José Genoino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.