André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Renan convoca reunião para definir audiência de Dilma, mas depois cancela

Encontro atendia a apelo de senadores do PT, apreensivos com a possibilidade de alguns parlamentares aumentarem o tom contra a petista na sessão de segunda-feira;

Isadora Peron, Murilo Rodrigues Alves, Carla Araújo e Rachel Gamarski, O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2016 | 15h43

(Atualizado às 21h15)

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), convocou uma reunião de líderes para discutir a ida da presidente afastada Dilma Rousseff ao plenário na próxima segunda-feira, 29, quando ela irá apresentar a sua defesa no processo de impeachment. Antes do encontro, porém, senadores tentaram fechar um acordo por meio do qual base e oposição se intercalassem nas perguntas à presidente afastada. Governistas não concordaram com o acerto e Renan desistiu de realizar o encontro.

A ideia seria começar a reunião depois que a sessão do julgamento deste sábado chegar ao fim, o que estava previsto para acontecer por volta das 20h, mas acabou se estendendo.

O encontro atendia a um apelo de senadores do PT, que estão apreensivos com a possibilidade de alguns parlamentares aumentarem o tom contra a petista. As sessões do julgamento, que começaram na quinta-feira, 25, têm sido marcadas por brigas acaloradas entre senadores. Na sexta, 26, o próprio Renan protagonizou um bate-boca com a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).

A ideia é firmar um “acordo de cavalheiros”, para que não haja agressões. Petistas pediram a Renan para conversar com os parlamentares para evitar que a situação saia do controle.

A interlocutores, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse que a petista será tratada de forma respeitosa, caso ela “não provoque" os senadores. O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, já afirmou que o partido estuda não fazer perguntas a Dilma, para não constrangê-la.

O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), defende que os senadores tenham direito à réplica depois da resposta da presidente às questões. “O que acontece geralmente é que a resposta não tem nenhum nexo com a pergunta”, afirmou. “Tira de quem está arguindo a ré a capacidade de poder avançar no raciocínio e esclarecer a sociedade que está nos ouvindo da falta de argumentos para responder a pergunta”, disse. 

Pelas regras definidas inicialmente, a presidente afastada terá 30 minutos para fazer uma exposição inicial e depois poderá ser interrogada pelos 81 senadores. Cada um terá cinco minutos para fazer perguntas, mas não há limite de tempo para resposta da presidente afastada. Os parlamentares não teriam direito à réplica, somente se forem citados nominalmente e se sentirem ofendidos. Em ofício enviado ao Senado, Dilma avisou que virá acompanha de uma comitiva de mais de 30 nomes, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ela pediu uma sala reservada para ficar com o grupo e se preparar para audiência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.