Renan Calheiros não vai presidir sessão da LDO

Senador havia dito que só comandaria votação ´se houvesse necessidade´

Luciana Nunes Leal, do Estadão

11 de julho de 2007 | 16h53

O presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), já comunicou ao líder do governo, deputado José Múcio Monteiro (PTB-PE), e ao presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), que não vai presidir a sessão desta quarta-feira, 11, do Congresso, convocada para que seja votado o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Nos últimos dias, parlamentares oposicionistas, principalmente deputados, alertavam que não aceitariam que Renan - processado no Conselho de Ética sob acusação de pagar despesas pessoais com dinheiro de um lobista de uma empreiteira - presidisse a sessão conjunta da Câmara e do Senado. Na última terça-feira, Renan já admitia a possibilidade de não participar da sessão de hoje do Congresso. "Ele (Renan) teve espírito público e pensou no País", disse Múcio Monteiro, ao comentar, há pouco, a decisão de Renan, que será substituído no comando da sessão pelo vice-presidente do Congresso, deputado Nárcio Rodrigues (PSDB-MG).Renan havia dito que só comandaria a sessão se "houvesse necessidade´´. O senador explicou o que seria haver necessidade e disse que ´´se os trabalhos não tiverem andando condizentemente, se a coisa não fluir, e se a votação não acontecer. Se houver necessidade, eu vou ter que ir", afirmou.Na noite da última terça-feira, Renan já havia admitido que abriria mão de presidir a sessão e entregaria a tarefa ao vice-presidente do Senado, deputado Nárcio Rodrigues (PSDB-MG). A sessão comandada por Renan é um impasse já que a oposição insiste em não aceitar que ela seja comandada pelo presidente do Senado, ameaçando inclusive obstruir a sessão.Se o projeto não for aprovado até o dia 17, os parlamentares não poderão iniciar o recesso de julho, que começa no dia 18.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.