Renan ameaça voltar à presidência do Senado

O presidente licenciado do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), confidenciou hoje a um senador de seu grupo que está disposto a reassumir o cargo de presidente na próxima segunda-feira, se não tiver outra alternativa. Inconformado com o adiamento da votação de seu processo em plenário, que estava prevista para quinta-feira e foi adiada por conta de uma manobra da oposição, Renan se recusa a renovar a licença de 45 dias, que vencerá no dia 26.Na conversa por telefone com o colega de Senado, Renan se queixou de ter feito "todos os gestos" para amenizar a crise e melhorar o ambiente político para que o governo tivesse tranqüilidade para votar a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "Fiz minha parte. Cumpri o calendário acordado e, chega na hora da votação, ninguém quer votar (meu processo)", desabafou Renan ao interlocutor, para concluir: "Se é assim que querem, não tenho motivo para não reassumir a presidência. Minha opção não era essa e eu preferia evitar problemas. Mas se a crise está instalada, não tem porque eu renovar a licença".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.