Remédios: OMC faz tentativa desesperada de acordo amanhã

A Organização Mundial do Comércio (OMC)adiou mais uma vez a decisão sobre o acordo que poderá facilitar o acesso de países pobres a remédios genéricos. Na última quarta-feira, a entidade, sediada em Genebra, já comemorava a conclusão do tratado, mas no último momento, países levantaram dúvidas sobre sua interpretação e a negociação foi prolongada. Amanhã, em uma tentativa desesperada, a OMC volta a se reunir para tentar fechar o acordo. O texto que está sobre a mesa regulamenta o comércio de remédios genéricos e seu ponto principal se refere à autorização a países pobres em importar remédios genéricos caso provem que não contam com tecnologia para produzi-los. Ativistas argumentam que asmcondições impostas para que isso ocorra são tantas que os países pobres teriam dificuldade para tirar proveito do acordo. Países como Índia e Brasil, porém, já deram seu sinal verde ao entendimento. O problema é que alguns países, como o Quênia, Cuba, Filipinas e Argentina, afirmavam que gostariam de fazer declarações para que ficasse registrada sua interpretação sobre os artigos do acordo antes quefosse adotado. A idéia de ter um texto que poderia serusado de várias formas gerou um verdadeiro pânico porparte da delegação dos Estados Unidos, que conseguiu convencer o presidente das negociações, o uruguaio Carlos Peres del Castillo, a suspender o processo na quinta-feira. Hoje, quando os países voltaram a se reunir, alguns já haviam sido "convencidos" pelo americanos de que o texto deveria ser aprovado tal como está. Um desses países foi as Filipinas. Os argentinos também pareciam ter mudado de idéia. "Foi tudo um problema de falta de comunicação", tentou se explicar um diplomata Buenos Aires na OMC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.