Remédio é suspenso após morte de gestante

Um medicamento utilizado no procedimento pós-parto pode ter causado complicações em oito mulheres submetidas a cesárea na maternidade do Hospital das Clínicas de São Sebastião, no litoral paulista. O uso do remédio, cujos nome e laboratório são mantidos em sigilo, foi suspenso em todas as maternidades do litoral norte e Vale do Paraíba. Uma das mulheres morreu.De acordo com a provedora do hospital, Elisabeth Chagas, os casos de atonia uterina - quando o útero não volta ao tamanho normal depois do parto - ocorreram entre segunda e quarta-feira desta semana. "As oito mulheres apresentaram o mesmo problema, seguido de sangramento considerável e infecção. Diante do quadro, resolvemos suspender as atividades no centro cirúrgico." Das sete mulheres que continuavam internadas, uma obteve alta e as outras estão internadas. Os oito recém-nascidos estão bem de saúde.Amostras dos medicamentos, do sangue das pacientes e do centro cirúrgico foram enviadas para o Instituto Adolf Lutz, na capital paulista. O resultado deve ficar pronto na segunda-feira. Até que o problema seja esclarecido, o centro cirúrgico do Hospital de Clinicas estará interditado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.