Relatório registra 130 assassinatos de gays

Pelo menos 130 homossexuais foram assassinados no Brasil ano passado. São Paulo é o estado onde ocorreu o maior número de casos, com 28 mortes, seguido de Pernambuco, com 18, e Alagoas, com 10. Os números estão no relatório anual do Grupo Gay da Bahia, divulgado hoje em Salvador, que desde a década de 80 faz o levantamento de crimes envolvendo homossexuais.Uma outra publicação, o livro "Causa Mortis: Homofobia", editada pela mesma entidade, com o apoio do Banco Mundial, afirma que foram registrados 1960 assassinatos de gays entre 1980 e 2000 no Brasil.Entre os 130 mortos no ano passado, o GGB informa que 69% foram gays, 29% travestis e 2% lésbicas. "O Brasil continua o campeão mundial de crimes contra homossexuais", constata Marcelo Cerqueira, diretor do GGB, lembrando que "no carnaval todo mundo aplaude os gays nas passarelas, porém no resto do ano é só pancadaria, humilhação e morte", salientou.Na avaliação de Cerqueira, os gays são a minoria social mais odiada do País. "Nem nos países muçulmanos e africanos, onde a homossexualidade ainda é considerada crime, são registradas tantas mortes violentas como no Brasil. Por essa razão, vem aumentando o número de gays que têm conseguido asilo político na Europa e Estados Unidos, comprovando terem sido vítimas de perseguição social", disse o ativista.A pesquisa revela ainda que o perfil dos gays assassinados mostra uma idade variando entre 18 e 30 anos. São pessoas de classe média e baixa e que trabalham como cabeleireiros, professores, funcionários públicos e travestis profissionais do sexo. A lista inclui também engenheiros, médicos, um cônsul e sacerdote. Do total, 43% das vítimas foram mortas com arma de fogo e 28% com golpes de faca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.