Relatório final da CPI da Milícia acusa 150 pessoas

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Milícia da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), aprovado hoje por unanimidade pelos membros da comissão, acusa 150 pessoas de serem envolvidas com o crime. Entre eles estão o deputado estadual Natalino José Guimarães (sem partido), seu irmão, o vereador Jerônimo Guimarães Filho, o Jerominho (PMDB), e o ex- Chefe de Polícia e deputado cassado Álvaro Lins. Dois vereadores eleitos, o sargento bombeiro Cristiano Girão (PMN) e a filha de Jerominho, Carminha Jerominho (PTdoB), também constam no relatório. Entre as propostas apresentadas, segundo o presidente da CPI, deputado Marcelo Freixo (PSol), estão: tornar crime a formação de currais eleitorais, tornar crime fazer uso abusivo de centros sociais e retirar a arma dos bombeiros (entre os acusados estão vários bombeiros). A CPI funcionou por 150 dias e ouviu 47 pessoas. O Disque Milícia contabilizou mais 1.062 denúncias e mapeou 170 áreas controladas por milícias. Também consta no relatório o nome do ex-PM Ricardo Cruz, o Ricardo Batman, que fugiu do presídio Bangu 8 (zona oeste do Rio) no fim do mês passado. O relatório da CPI deverá ser votado no plenário da Alerj até o fim do mês e, posteriormente, encaminhado ao Ministério Público, ao governo do Estado e à Secretaria de Segurança Pública.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.