Relatório do Orçamento mantém salário mínimo em R$ 375

O relator setorial de Previdência, Trabalho e Assistência Social do Orçamento federal para 2007, senador Leomar Quintanilha (PCdoB-TO), manteve a elevação do salário mínimo de R$ 350 para R$ 375. A informação é da Agência Senado. Se o relatório de Quintanilha for aprovado pelos deputados e senadores, o Congresso estará ignorando a pretensão da equipe econômica de subir o mínimo para R$ 367. Quintanilha pondera em seu relatório que o próprio governo havia reservado dinheiro para o salário mínimo de R$ 374,93, um aumento de 7,12%. Em seu relatório, o senador afirma que houve nos últimos meses uma reversão na tendência verificada desde 2001 de queda nos gastos do governo federal com seus aposentados e pensionistas. "A mudança se deve aos reajustes concedidos pelo governo ao funcionalismo neste ano - o que beneficia os aposentados - e também porque a reforma previdenciária de 2003 não afetou os militares. Assim, apenas os inativos civis passaram a recolher a contribuição previdenciária", afirma, acrescentando que os gastos com inativos da União, civis e militares, serão de R$ 35,9 bilhões em 2007. Quintanilha observa ainda que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), na previsão do governo, terá um déficit em 2007 de R$ 46,4 bilhões, contra R$ 41 bilhões neste ano - crescimento de 13,1%. Para ele, se o governo destinasse à Previdência parte da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), como determina a legislação, o déficit seria R$ 7,4 bilhões menor. O senador ressalta também que se o governo considerasse a Seguridade Social como um todo (Previdência, Saúde e Assistência Social) não haveria déficit. O problema existe, de acordo com o senador, porque o governo não direciona ao setor toda a arrecadação prevista em lei.

Agencia Estado,

11 Dezembro 2006 | 21h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.