Relatório do FMI diz que o Brasil reduziu a pobreza

Um relatório divulgado pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) nesta quinta-feira indica que a quantidade de pessoas consideradas pobres no Brasil caiu de 28% da população em 2003 para 23% em 2005.No relatório, intitulado Panorama Econômico do Hemisfério Ocidental, o FMI considera pobres as pessoas que não têm capacidade de "comprar uma cesta de produtos básicos de consumo".No mesmo período em que a pobreza caiu, a renda dos 50% mais pobres da população brasileira cresceu num ritmo duas vezes maior do que a receita dos 10% mais ricos, além do desemprego ter diminuído, seguindo tendência regional. ?A recuperação (econômica) da região nos últimos anos ajudou a melhorar o nível de emprego e os indicadores sociais. Em vários países - incluindo Argentina, Brasil, Chile, México e Venezuela - o crescimento do nível de emprego se acelerou em 2005 e, na primeira metade de 2006, e o desemprego formal diminuiu significantemente para uma média de 10% no continente?, diz o estudo.O nível de pobreza na região como um todo também declinou entre 2003 e 2005, indo de 44% para 40%, enquanto o percentual de população vivendo em extrema pobreza foi de 19% para 17%. São consideradas em situação de extrema pobreza pessoas que têm de viver com menos de US$ 1 (cerca de R$ 2,14) por dia.Programas sociaisO FMI afirma em seu estudo que a melhoria das condições sociais na região ocorreu em grande parte devido aos programas sociais. ?Vários países têm programas que tentam atacar o problema da pobreza. No Brasil, o programa Bolsa Família está projetado para alcançar 11,2 milhões de famílias até o final de 2006, comparados com 8,7 milhões em 2005 e 6,7 milhões em 2004?, diz o texto.Para o FMI, programas como o Bolsa Família ?mostram-se promissores como instrumentos para reduzir a pobreza e conseguem dirigir os fundos àqueles que necessitam?.?Além da transferência de dinheiro condicional, os programas de assistência social incluem programas de merenda, capacitação profissional para jovens e assistência financeira para deficientes físicos?, afirma o estudo.Contudo, o relatório alerta para o fato de que ?melhorias duradouras nessas áreas exigirão a formação de respaldo social para reformas?.

Agencia Estado,

03 de novembro de 2006 | 07h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.