Relatório da ONU defende fim de taxa a etanol do Brasil

Programa da ONU para o desenvolvimento defende fim de tarifas ao etanol do Brasil.

Daniel Gallas, BBC

27 de novembro de 2007 | 10h15

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) defende, em um relatório divulgado nesta terça-feira em Brasília, o fim das tarifas de importação que os demais países impõem sobre o etanol do Brasil. A medida, segundo o PNUD, ajudaria a combater as mudanças climáticas no planeta."O Brasil é muito mais eficiente do que a União Européia e os Estados Unidos em produzir etanol. Além disso, o etanol de cana é mais eficiente para reduzir as emissões de carbono. O problema é que as importações de etanol brasileiro são restringidas por altas tarifas de importação", afirma o Relatório de Desenvolvimento Humano 2007/2008."Remover estas tarifas geraria ganhos não só para o Brasil, como para a mitigação das mudanças climáticas."O etanol não é consenso entre os diferentes órgãos da ONU.Em junho, um estudo da FAO - a agência da ONU para Agricultura e Alimentação - sugeriu que a crescente demanda por biocombustíveis poderia estar elevando os preços internacionais de alguns alimentos.Em outubro, o relator especial da ONU para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, pediu uma moratória de cinco anos da produção de biocombustíveis como o etanol, alegando que esse tipo de produção pode agravar o problema da fome no mundo.No relatório divulgado nesta terça-feira, o órgão da ONU para o desenvolvimento afirma que o "impressionante" exemplo brasileiro do etanol e dos carros flex trouxe benefícios ambientais e reduziu a dependência do país em petróleo.O PNUD diz que a maior parte dos países desenvolvidos impõe restrições aos biocombustíveis como o etanol. A União Européia permite a importação sem imposto de biocombustíveis oriundos de cem países em desenvolvimento, porém a maior parte desses países não produz etanol.No caso do produto brasileiro, o imposto de importação é de 0,73 euros por galão. Nos Estados Unidos, a tarifa para o etanol do Brasil é de US$ 0,54 por galão."Políticas comerciais aplicadas ao etanol entram em conflito com uma série ampla de metas relacionadas às mudanças climáticas", afirma o relatório do PNUD."O etanol do Brasil é desestimulado, mesmo sendo mais barato de produzir, gerar menos emissões de CO2 na produção e ser mais eficiente em reduzir a intensidade (de emissões) de carbono de veículos de transporte."Segundo o PNUD, "a palavra final é que abolir tarifas sobre o etanol beneficiaria o meio ambiente, a mitigação das mudanças climáticas e o desenvolvimento de países que - como o Brasil - possuem condições favoráveis de produção".O relatório também elogia o papel da Suécia, que tem defendido na União Européia a redução de tarifas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.