Relatório da CPI não pede indiciamento de Protógenes e Dantas

Nelson Pellegrino afirmou que não percebeu indícios suficientes para pedir o indiciamento dos dois

da Redação

04 de março de 2009 | 19h14

O relator da CPI das Escutas Telefônicas Clandestinas, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), pediu em seu relatório final o indiciamento de seis pessoas - uma delegada, um detetive particular e quatro policiais - por realização de interceptação telefônica ilegal. No entanto, segundo informações da Agência Câmara, deixou de fora o delegado da Polícia Federal (PF) que conduziu o inquérito na primeira fase, Protógenes Queiroz e o principal investigado da Operação Satiagraha, o banqueiro Daniel Dantas.   Veja também: Operação Satiagraha As prisões de Daniel Dantas Os alvos da Operação Satiagraha   O deputado afirmou que não percebeu indícios suficientes para pedir o indiciamento, tendo constatado apenas algumas divergências entre os depoimentos. Ele também pede que o MP continue a análise do depoimento do banqueiro Daniel Dantas, segundo a Agência Câmara.   O relator também sugere que sejam encaminhados ao MP os depoimentos do ex-diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Paulo Lacerda; do agente de inteligência da Abin Márcio Seltz; do delegado da Polícia Federal (PF) Protógenes Queiroz; do ex-diretor-geral-adjunto da Abin José Milton Campana; do diretor de Inteligência da PF Daniel Lorenz; e do presidente da Associação Nacional de Servidores da Abin, Nery Kluwe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.