Relatório confirma acusações contra Eduardo Campos

O ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa afirmou, em delação premiada na Operação Lava Jato, que o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) pediu doação de R$ 20 milhões para a campanha à reeleição de Eduardo Campos (PSB) ao governo de Pernambuco em 2010. Bezerra não está entre os parlamentares alvos de inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Campos morreu no ano passado.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2015 | 02h02

Segundo o delator, a "contribuição" foi pedida por Bezerra ao doleiro Alberto Youssef. A propina seria paga pelo consórcio Ipojuca Interligações, formado pelas empresas Iesa e Queiroz Galvão, encarregadas da construção da refinaria Abreu e Lima. De acordo com Costa, em "face ao montante da contribuição", pode ter sido usado "algum artifício específico" pela Queiroz Galvão.

Youssef também mencionou Campos em delação. Segundo ele, Costa conversou sobre propina diretamente com Campos e o pagamento viria de um contrato de Abreu e Lima com as empreiteiras OAS e Odebrecht.

A menção a Campos foi revelada pelo Estado em dezembro. Na época, o PSB afirmou ter "extrema confiança" em seu ex-presidente. "O ônus da prova é de quem acusa", disse o partido, em nota divulgada na época. Ontem, Bezerra negou ter contatado Youssef ou ter atuado como arrecadador da campanha de 2010. As empresas negam irregularidades. / MURILO RODRIGUES ALVES e FÁBIO BRANDT

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.