Relatorias do PAC podem ficar com oposição, diz Fontana

O líder do PT na Câmara, Henrique Fontana (RS), admitiu nesta terça-feira que algumas relatorias do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) podem ficar com parlamentares da oposição. "É importante respeitar a proporcionalidade e o PAC é uma boa oportunidade para isso", disse Fontana, após uma reunião com o presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP). "É razoável que alguns projetos sejam relatados por deputados da oposição", completou o deputado. Fontana disse também que o PAC foi abordado como uma das prioridades da nova legislatura e afirmou que, na semana que vem, os ministros Guido Mantega, da Fazenda, e Dilma Rousseff, da Casa Civil, devem prestar esclarecimentos aos parlamentares. ´Declaração infeliz´ O líder do PT na Câmara disse ainda que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello deu uma "declaração infeliz" na segunda-feira, quando disse que trocaria o salário dele pelos subsídios dos parlamentares. "O Brasil não quer assistir a uma disputa sobre quem ganha mais ou menos", disse Fontana. O deputado disse que o PT defende o congelamento do atual teto salarial do STF - de R$ 24,5 mil - e que, portanto, é contra o projeto que aumenta as remunerações dos ministros. Fontana afirmou que o tema do reajuste salarial dos parlamentares não foi discutido durante a reunião desta terça-feira. "Salário não é prioridade", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.