Relatora pede inspeção da ONU no judiciário brasileiro

A relatora especial da Comissão de Direitos Humanos para Execuções Extrajudiciais, Sumárias ou Arbitrárias das Nações Unidas, Asma Jahangir, vai recomendar em seu relatório que a ONU envie um observador para inspecionar o Poder Judiciário do Brasil. Um dos motivos, segundo ela, é a morosidade da Justiça no julgamento de casos de homicídios. Ela declarou a intenção durante encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Justiça, Márcio Thomas Bastos, no Palácio do Planalto. "O Poder Judiciário brasileiro, com todo respeito que temos a ele, não é o Poder Judiciário dos nossos sonhos", afirmou o ministro Thomas Bastos, ao relatar o encontro e confirmar a intenção de Asma de recomendar a inspeção. "Nós precisamos reformá-lo. Por isso, o governo tem falado, desde o primeiro dia de posse, de uma reforma funda e radical no Poder Judiciário". O presidente do Supremo Tribunal Federal, Maurício Corrêa, reagiu com indignação. "Acho que a afirmação (de Asma) é extremamente infeliz, inoportuna e de quem não tem o mínimo de conhecimento sobre o Poder Judiciário brasileiro", afirmou. "É uma senhora que não conhece a estrutura do Poder Judiciário nem a honra e a qualificação dos juízes brasileiros".

Agencia Estado,

08 Outubro 2003 | 21h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.