Relator terá aulas de como interrogar depoentes da CPI

Com os trabalhos da CPI do Cachoeira em baixa, o relator Odair Cunha (PT-MG) vai se dedicar, na semana que vem, a um treino intensivo com delegados da Polícia Federal e promotores para aprender a inquirir os depoentes. As "aulinhas" vão acontecer depois dos depoimentos dos governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), que evidenciaram a falta de traquejo de Cunha.

EUGÊNIA LOPES E RICARDO BRITO, Agência Estado

15 de junho de 2012 | 19h03

"Vai ser um intensivão. Como não sou desse mundo da investigação, é preciso fazer um treinamento de investigação, saber quais são as técnicas", explicou o relator. "Não é esse negócio de pergunta e resposta", disse. Assim como ele, os governadores também fizeram intensivos para "fazer bonito" na CPI: Perillo treinou exaustivamente com assessores sua fala na comissão, enquanto Agnelo foi preparado pela profissional de mídia training Olga Curado.

O treinamento de Cunha na próxima semana será possível porque a CPI vai dar uma parada nas sessões de depoimento e administrativas para votar requerimentos. O motivo para o "recesso branco" é a Conferência Rio +20 e as festas juninas, frequentadas principalmente por parlamentares do Nordeste. Sem sessões, Odair Cunha pretende centrar o trabalho na análise de documentos.

Integrantes da CPI pretendem reunir-se com o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, para reclamar da demora do envio de quebras de sigilos bancário e fiscal. Também deverão se encontrar com a diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para solicitar o envio de informações sobre o laboratório farmacêutico Vitapan, de propriedade da família do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

O recesso da semana que vem CPI vai servir para amainar os ânimos na CPI. Nesta sexta, o líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), defendeu o desligamento de parlamentares da comissão que almoçaram, em Paris, com o ex-presidente da Delta Construções Fernando Cavendish. O senador Ciro Nogueira (PP-PI), que votou contra a convocação do empresário, e o deputado Maurício Quintella (PR-AL) admitiram ter se encontrado com Cavendish, durante a Semana Santa, na França, depois de uma viagem oficial a Uganda.

"O mais adequado seria os que estão sob suspeição pedirem para sair da CPI", afirmou Dias. "O correto teria sido eles se declararem impedidos de deliberar sobre o tema", disse o tucano.

Tudo o que sabemos sobre:
CPICachoeirainterrogatórioaulas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.