Relator sinaliza que Suassuna poderá ser cassado

O senador Jefferson Péres (PDT-AM), relator do processo contra o senador Ney Suassuna (PMDB-PB) no Conselho de Ética do Senado, deixou transparecer a intenção de pedir a cassação do mandato do peemedebista, acusado de fazer parte da chamada máfia das ambulâncias. Ao final do depoimento de Suassuna ao Conselho, nesta terça-feira, 12, Jefferson afirmou que o senador acusado não recebeu propina da máfia das ambulâncias, mas que isso não é motivo suficiente para inocentá-lo. "O parlamentar pode ter cometido falta de decoro sem necessariamente de ter cometido o ilícito. Não há nada de indício forte de que ele (Suassuna) tenha se beneficiado das propinas", afirmou o relator. Em seguida, reforçou: "Não é preciso cometer o ilícito penal. Pode ter quebrado decoro por muitas outras ações ou omissões."O relator se comprometeu a apresentar na quarta-feira da próxima semana seu parecer sobre o caso. Jefferson disse que o depoimento de Suassuna não mudou em nada seu convencimento: "Eu já tinha convicção firmada", complementando que, como senador, ficaria indignado se um assessor de seu gabinete participasse de um esquema de corrupção. "Está comprovado que o senhor Marcelo (Carvalho, ex-assessor de Suassuna) recebia propina. Eu, como senador, me sentiria indignado com isso. Houve quebra de confiança, que deveria ter despertado indignação", afirmou o relator. Marcelo foi demitido por Suassuna quando o escândalo estourou. A irmã de Marcelo, Mariana, continua em cargo de confiança no gabinete do senador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.