Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Relator recua e votação de projeto das desonerações fica para quarta-feira

Após receber duas ligações, senador relator da proposta Eunício Oliveira (PMDB-CE) afirmou que vai tentar fechar um acordo sobre o texto a ser votado

Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

18 de agosto de 2015 | 19h16

Brasília - Minutos após dizer que não iria propor nenhuma alteração ao texto do projeto de lei enviado pela Câmara dos Deputados, tratando do fim da política de desonerações, o relator da matéria e líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), disse em plenário ter recebido “duas ligações” e decidido tentar costurar um acordo até esta quarta-feira, 19, para apresentar seu texto.

Sem declinar os nomes dos interlocutores das conversas telefônicas, Eunício disse que tentará fechar um entendimento em 24 horas. Se não for possível, acrescendtou, decidirá votar o texto enviado pela Câmara sem alterações. “Não se chegando a este entendimento, não há outro caminho a não ser fazer a votação amanhã”, afirmou.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que a decisão de Eunício de propor a retirada de pauta para tentar fechar um acordo foi o melhor passo. Renan avisou que o projeto só será votado na quarta.

O líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), elogiou a postura do relator. “Nosso entendimento também é que esse projeto é importante. É o último dessas medidas fiscais, e todas as medidas foram aprovadas. Em função de negociações que o líder Eunício está fazendo com as demais lideranças e com o próprio governo. Pela liderança do governo, acho absolutamente sensato e pertinente o pedido dele para termos mais tempo para trabalhar. Uma saída para que definitivamente a gente encerre as votações das medidas”, afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
ajuste fiscaldesoneraçãoSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.