Beto Barata/Ae - 05/07/2011
Beto Barata/Ae - 05/07/2011

Relator protocola voto favorável a Jaqueline Roriz na CCJ

O deputado Vilson Covatti (PP-RS) pediu o arquivamento do caso; deputada foi flagrada em vídeo recebendo dinheiro do mensalão do DEM

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

13 de julho de 2011 | 18h26

Cumprindo o esperado desde suas escolha para relatar o recurso da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) contra sua cassação no Conselho de Ética, o deputado Vilson Covatti (PP-RS) apresentou nesta tarde um voto a favor da colega propondo o arquivamento do caso. Jaqueline teve a cassação recomendada por ter aparecido em vídeo recebendo um pacote de dinheiro de Durval Barbosa, delator do mensalão do DEM.

 

Em seu voto, Covatti defende o arquivamento do caso porque o fato é anterior o mandato. Apesar de só ter sido publicado em março deste ano, o vídeo é de 2006. No Conselho de Ética, no entanto, o relator Carlos Sampaio (PSDB-SP) afirmou que o caso poderia ser apreciado porque a gravação só foi conhecida recentemente, após Jaqueline já ter sido eleita.

 

Covatti, porém, argumenta que não cabe ao Conselho "substituir a vontade do eleitor". "Não há como, agora, fora do período eleitoral pretender-se fazer uma leitura da intenção do eleitorado para se afirmar cabalmente que a Deputada não se teria eleito caso a divulgação das notícias fosse mais ágil", diz ele.

 

O relator na CCJ rebate ainda o pedido feito pelo PSOL para que se declarasse impedido para relatar o caso. O partido argumentou que Covatti já votou de forma favorável a Jaqueline no Conselho de Ética e, por isso, não poderia ter sido escolhido por João Paulo Cunha (PT-SP) para cuidar do tema na CCJ. Covatti diz não se considerar impedido por não ter interesse particular no caso. "Não se trata, indiscutivelmente, de questão relativa a este relator e nem de matéria em que tem interesse individual, de maneira que não me dou por impedido".

 

Como a comissão não terá mais sessões antes do recesso parlamentar, o caso só será decidido em agosto. Mesmo que o relatório de Covatti seja aprovado, o processo vai a plenário. Neste caso, porém, o relatório pelo arquivamento seria votado antes de uma decisão de mérito sobre cassar ou não Jaqueline Roriz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.