Relator pode adiar entrega de relatório da reforma tributária

O relator da reforma tributária na Câmara, deputado Virgílio Guimarães (PT-MG) admitiu que poderá ser adiada a apresentação do seu relatório, prevista para quinta-feira. O deputado afirmou que esse adiamento não implicará no atraso do cronograma para a entrega do relatório final à comissão especial, prevista para o dia 30. Guimarães disse que ainda há impasse na discussão do governo com os estados, em relação a partilha das receitas federais. Segundo ele, não será possível fechar um acordo sobre esse assunto até quinta-feira, em função da ausência do ministro da Fazenda, Antônio Palocci, do País. Palocci acompanha o presidente em sua visita a Madri, na Espanha. Virgílio Guimarães reconheceu ainda que há dificuldades na negociação sobre a desoneração da aquisição de bens de capital. Ele vai se reunir daqui a pouco com técnicos do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) para fazer cálculos sobre alterações na execução orçamentária dos governos estaduais. A discussão sobre esse tema é uma alternativa à proposta original de desvinculação das receitas dos estados. O relator voltou a afirmar que o objetivo é preservar a vinculação dos recursos estimados à saúde e educação e alterar a utilização dos recursos de outras áreas. Virgílio Guimarães esteve no café da manhã, na residência do deputado João Paulo Cunha, para conversar com os líderes da base aliada sobre a discussão conjunta da reforma tributária com a da previdência. Guimarães sustenta o argumento de que as duas reformas caminham juntas, mas cada uma tem um dinamismo próprio. Ele foi chamado à reunião para explicar aspectos da reforma tributária e a sua relação com a reforma da previdência. "O objetivo macroeconômico das duas reformas é o de dar sustentabilidade ao crescimento do Brasil", disse o parlamentar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.