Relator pede arquivamento de ação contra Renan no caso Schin

O senador João Pedro (PT-AM), relator, no Conselho de Ética do Senado, da segunda representação contra o presidente licenciado da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), acaba de pedir o arquivamento do processo, porque, segundo ele, não houve "ilícito ou quebra de decoro parlamentar".   Nessa representação, a de número dois, Renan era acusado de agir em favor da cervejaria Schincariol no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e na Receita Federal depois de a empresa ter comprado fábrica de refrigerantes da família Calheiros, em Alagoas.   Veja também: Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan     Em 34 páginas, João Pedro afirma que não foi encontrado nas diligências realizadas "ilícito que possa ser considerado como elemento, ainda que indiciário, de que o representado (Calheiros) tenha praticado ato que possa ser incompatível com o decoro parlamentar". "Nós não encontramos elementos que possam levar à quebra de decoro".   O relatório do petista será levado à votação logo mais no Conselho de Ética. Ainda hoje, o senador Jefferson Peres (PDT-AM) apresentará seu relatório sobre representação de número três contra Renan. Nela, o presidente licenciado do Senado é acusado de ter comprado duas emissoras de rádio e um jornal, em sociedade com o usineiro João Lyra, e de registrar as empresas em nome de "laranjas" (falsos proprietários).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.