Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Relator do Orçamento diz que rombo pode ser maior do que R$ 30,5 bi

Deputado Ricardo Barros afirma ter encontrado despesas de, pelo menos, R$ 3,4 bilhões não incluídas pelo governo no documento e diz :"vamos encontrar mais ainda"

Daiene Cardoso e Ricardo Brito , O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2015 | 12h47

BRASÍLIA - O relator-geral do Orçamento de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou nesta terça-feria, 1, que o rombo na peça orçamentária encaminhada ontem pelo governo ao Congresso pode ser maior do que o déficit de R$ 30,5 bilhões estimados na proposta. Ele disse já ter encontrado despesas que não foram incluídas pelo governo.

Segundo Barros, foram identificadas a não previsão de, pelo menos, R$ 3,4 bilhões: R$ 1,5 bilhão para o pagamento das emendas parlamentares individuais obrigatórias e outros R$ 1,9 bilhão para a compensação dos Estados com a Lei Kandir - foi mandada somente a metade dela. "Vamos encontrar mais ainda", disse Barros, que participou mais cedo de uma reunião no Ministério do Planejamento.

O deputado disse, entretanto, ter considerado normal a situação, uma vez que novas receitas podem ser encontradas também na peça orçamentária diante de eventuais situações de o governo não realizar investimentos, poupando recursos.

Legislação. O relator-geral disse ainda que a decisão do governo de enviar a proposta com déficit não fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Barros destacou que o governo pode, sim, gastar mais do que arrecada, desde que o Congresso autorize. Segundo ele, o rombo será coberto com a emissão de títulos pelo Tesouro Nacional.

"Não há nenhuma razão para devolver a peça orçamentária", disse ele, ao rebater pedidos nesse sentido feito pela oposição. "Não há nenhuma ilegalidade". 

Tudo o que sabemos sobre:
Orçamento 2016déficitcrisegoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.