Relator do 3º caso Renan chama de 'canalha' autor de 'dossiê'

No DVD, Péres foi acusado de fraudar operações na Companhia Siderúrgica da Amazônia; ele pede investigação

30 Outubro 2007 | 17h49

O senador Jefferson Péres (PDT-AM) subiu à tribuna nesta terça-feira, 30, para se defender da acusação de um suposto dossiê que circula no Congresso Nacional. Peres chamou o autor de "canalha" e pediu ao Corregedor do Senado, Romeu Tuma, que o episódio fosse investigado.   Veja também:   Ouça defesa do senador Jefferson Péres  Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan     "Todos os canalhas são meus inimigos. Eu não sou como vocês, canalhas, e ética para mim não é pose, não é bandeira eleitoral, é compromisso de vida", defendeu-se, exaltado.   De acordo com a revista Veja desta semana, alguns senadores receberam um DVD contendo a denúncia da participação de Jefferson Péres numa fraude financeira em uma siderúrgica amazonense nos anos 70. Como o senador pelo PDT relata um dos processos enfrentados por Renan Calheiros no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado - sobre a suspeita de que ele teria usado "testas de ferro" para ser sócio de um jornal e de uma emissora de rádio - a imprensa cogitou a possibilidade de que o dossiê fosse peça de chantagem contra Jefferson Péres, mas ele descartou.   "As primeiras suspeitas poderiam ate apontar para Renan,mas ele me enviou uma carta nesta manhã. Ele negou e reitera que já manifestou em público a minha trajetória de honradez", leu Péres.     Além disso, ele esclareceu que sua mulher nunca foi funcionária do Senado, como havia sido veiculado,  e se defendeu da acusação de que teria usado dinheiro do Senado para emitir passagens a uma suposta amante.   "Minha mulher não é e nunca foi funcionária do gabinete federal. Dizem também que eu teria pedido recursos ao presidente do Senado para emitir passagens aéreas de, talvez, amantes minhas para Brasília, de Manaus. Todos os presidentes do Senado, (José) Sarney, Renan, Jader (Barbalho), sabem que eu nunca pedi favor a eles".   Divulgação de despesas     O episódio do suposto do dossiê abre espaço para o debate sobre a divulgação de despesas dos senadores. Na semana passada, a  mesa do Senado rejeitou a proposta do presidente interino da Casa, senador Tião Viana (PT-AC), que tornaria obrigatória a divulgação na internet da prestação de contas dos parlamentares sobre a utilização dos recursos da chamada "verba indenizatória".   Tanto deputados quanto senadores recebem R$ 15 mil mensais para despesas relacionados ao mandato, em Brasília e nos Estados. Tião Viana afirmou que sua proposta tinha por objetivo dar transparência às atividades dos parlamentares, mas nenhum dos outros seis integrantes da Mesa concordou com ele.   Todos votaram contra a proposta.     Veja abaixo a íntegra da carta de Renan Calheiros.   Caro Senador Jefferson Péres,   Permita-me, respeitosamente, dirigir-lhe estas breves palavras sobre mais uma tentativa de criar um clima de indisposição, constrangimento e desconfiança nesta Casa.   A revista semanal de sempre, desejando estimular a intriga, me atribuiu, falsamente, suposta distribuição de um suposto "dossiê com acusações pesadas contra o colega amazonense", com a finalidade de "intimidá-lo".   Mesmo convencido de que Vossa Excelência sabe que tal perversidade não partiu ou partiria de mim, quero assegurar ao prezado companheiro que esse expediente repulsivo não cabe no meu caráter, formado a partir das maciças lições de vida e do exemplo de dignidade do meu saudoso pai, e de minha mãe, Ivanilda, hoje com 74 anos de idade. Vem do berço, não tenha dúvida.   Reitero aqui, por escrito, o que já manifestei de público, em discurso proferido no Plenário do Senado Federal: a trajetória de vida do senador Jefferson Péres é um exemplo de coerência política, de lisura e de honradez, que merece o respeito de todos os brasileiros.   Sei, também, que a sua personalidade firme e a consciência do julgador imparcial, fiel ao princípio da persuasão racional da prova, não se deixam abalar pelas disputas regionais, pela histeria da imprensa ou por expedientes rasteiros de intimidação. É próprio dos homens de têmpera inquestionável.   Receba o meu sincero abraço de reverência.   Senador Renan Calheiros"     Texto atualizado ás 18h20

Mais conteúdo sobre:
Caso Renandossiê

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.