Zeca Ribeiro | Câmara dos Deputados
Zeca Ribeiro | Câmara dos Deputados

Relator diz que plenário fez 'picadinho' de pacote anticorrupção

'Ainda arranjaram um instrumento para ameaçar e investigadores e juízes', criticou Onyx Lorenzoni (DEM-RS)

igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2016 | 13h11

BRASÍLIA - O relator na Câmara do projeto de medidas de combate à corrupção, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), afirmou nesta quarta-feira, 30, que parlamentares fizeram um "picadinho" do pacote durante a votação da matéria no plenário da Casa. O parlamentar disse ainda não ter muita esperança de que o Senado Federal vá reverter as alterações feitas pelos deputados e que flexibilizaram o texto.

"Fizeram um picadinho. Não tem mais dez medidas, acabou. O eixo do projeto era conjunto de medidas que dessem instrumento para que o Brasil pudesse fazer o combate à impunidade e à corrupção. Acabou, não tem mais isso", afirmou. "E, de quebra, ainda arranjaram um instrumento para ameaçar e investigadores e juízes", disse, em referência à emenda aprovada que instituiu crime de abuso de autoridade para juízes e membros do Ministério Público.

Para Lorenzoni, deputados fizeram as mudanças como retaliação à Operação Lava Jato. "Foi claro o exercício de vingança ao MP e aos juízes federais, derivado do ódio que existe aqui contra o doutor Sérgio Moro (juiz federal que comanda a Lava Jato na primeira instância)", disse. "Não tenho muita esperança no Senado. A não ser que a tramitação se dê após 1º de fevereiro (quando Renan Calheiros/PMDB-AL deixa o comando da Casa)", emendou.

Como mostrou o Broadcast Político mais cedo, deputados aprovaram no plenário pelo menos 11 mudanças no texto do projeto anticorrupção que tinha sido aprovado na comissão especial, na semana passada. Com críticas ao parecer de Lorenzoni, parlamentares aprovaram emendas e destaques para incluir novos temas e retirar trechos do projeto que dificultam investigações e flexibilização a punição a políticos e partidos corruptos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.