Relator defende absolvição de Gushiken no mensalão

O relator do processo do mensalão, Joaquim Barbosa, defendeu nesta segunda a absolvição do ex-ministro Luiz Gushiken, que foi inicialmente investigado por suspeita de envolvimento com o mensalão. De acordo com Barbosa, Gushiken deve ser absolvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) porque não existem provas suficientes para puni-lo por participação no esquema.

AE, Agência Estado

20 de agosto de 2012 | 20h02

A absolvição do ex-ministro tinha sido pedida pelo próprio procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que é o responsável por fazer as acusações. Nas alegações finais encaminhadas ao STF em julho de 2011, Gurgel disse que durante a instrução do processo não foram encontradas provas contra o ex-ministro.

"Muito embora a denúncia tenha atribuído a coautoria do peculato a Luiz Gushiken, então ministro da Secretaria de Comunicação e Gestão Estratégica da Presidência da República, em razão de depoimentos prestados por Henrique Pizzolato, no sentido de que sempre agiu a mando de Luiz Gushiken, não se colheu elementos, sequer indiciários, que justificassem a sua condenação", afirmou o procurador.

Normalmente, a Justiça segue a opinião do Ministério Público Federal quando o órgão encarregado da acusação afirma que não há provas para condenar. Por esse motivo, o STF deverá acompanhar o voto de Barbosa, absolvendo Gushiken. O procurador também pediu a absolvição de outro réu, Antonio Lamas, irmão de Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do extinto PL.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojulgamentoLuiz Gushiken

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.