Relator de CPI não vê problemas em licitação do Sivam

O deputado Confúcio Moura (PMDB-RO), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam), não encontrou irregularidades no processo de licitação de US$ 1,4 bilhão (cerca de R$ 3,7 bilhões, no câmbio atual) para a compra de equipamentos destinados à instalação do sistema. A concorrência internacional foi vencida pela norte-americana Raytheon.O relatório de Moura será apresentado amanhã aos integrantes da comissão. O deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), autor do requerimento de abertura da CPI, dará voto em separado, pedindo que sejam ampliadas as investigações, porque, na sua opinião, a Raytheon tinha contatos anteriores com funcionários da empresa nacional que ficou encarregada de centralizar as informações colhidas pelos equipamentos. Segundo Moura, por causa desse voto, é possível que a CPI só encerre suas atividades na semana que vem.A licitação do Sivam foi o primeiro escândalo do governo de Fernando Henrique Cardoso. Um grampo telefônico ordenado pelo hoje deputado Xico Graziano (PSDB-SP), então presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), flagrou conversas do embaixador Júlio Cesar Gomes dos Santos com o empresário José Afonso Asumpção. De acordo com as denúncias, eles defendiam os interesses da Raytheon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.