Relator da Lava Jato envia caso de deputado do PP para a PGR

Durante o recesso do Judiciário, em janeiro, chegou ao STF trecho de investigação em que o Nelson Meurer (PP-PR) é citado 

BEATRIZ BULLA, O Estado de S. Paulo

03 Fevereiro 2015 | 20h54

Brasília - O ministro Teori Zavaski, relator das ações sobre a Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), remeteu ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o caso do deputado Nelson Meurer (PP-PR). Zavascki quer que Janot tome as providências que julgar cabíveis - como um eventual pedido de abertura de inquérito - para que as investigações prossigam.

Durante o recesso do Judiciário, em janeiro, chegou ao STF trecho de investigação em que Meurer é citado como beneficiário do esquema de corrupção e lavagem de dinheiro que foi desbaratado na Lava Jato.

O juiz Sérgio Moro, que conduz o caso no Paraná, afirmou em despacho que a Polícia Federal encontrou lançamentos efetuados a título de ''Nelson'' e ''Nelson Meurer'' nos anos de 2008 e 2009, conforme revelou o Estado. O caso foi enviado ao STF em razão do foro privilegiado do deputado federal.

Zavascki remeteu o caso a Janot, pois o PGR é o titular da ação penal no STF contra autoridades com foro privilegiado. Ou seja, cabe a Janot pedir abertura de inquérito, oferecer denúncia - se entender que já há indícios de provas suficientes - ou desconsiderá-lo da investigação.

De acordo com o despacho do juiz Sérgio Moro de dezembro de 2014, as investigações chegaram a Meurer por "encontro fortuito de provas". Os lançamentos encontrados com o nome do deputado, segundo o juiz, podem ser referentes a pagamentos feitos pelo doleiro Carlos Habib Chater ao parlamentar, a pedido do também doleiro Alberto Youssef.

Mais conteúdo sobre:
Lava Jato Graça Foster Aécio Neves

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.