Relator da CCJ rejeita recursos para criar CPI dos Bingos

Os recursos do líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), e da senadora Heloisa Helena (sem partido-AL) para ressuscitar a CPI dos Bingos foram rejeitados, hoje, pelo relator Leomar Quintanilha (PMDB-TO), numa sessão tumultuada da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A leitura de seu parecer começou às 11 horas, mas até a noite desta quinta-feira ele não tinha sido votado pela comissão, onde era tida como certa a sua aprovação. Quintanilha alegou que os argumentos dos senadores, de transferir para o presidente do Senado, José Sarney, a tarefa de indicar os membros da CPI no lugar dos líderes, ou a de instalar a comissão só com os representantes da oposição, "não encontram respaldo na Constituição". A oposição reagiu, alegando que estava em jogo o direito da minoria. Em tom exaltado, seus representantes rechaçaram os argumentos do relator. O clima piorou quando o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), contestou a decisão do presidente da CCJ, Edison Lobão (PFL-MA), de dar três horas para atender ao pedido de vista dos senadores. Renan alegou que uma hora seria o bastante. "Estão fazendo teatro, só a maioria pode decidir e isso não é ditadura", alegou.A senadora Heloísa Helena rebateu. "Não vou responder à bravata do senador em respeito aos artistas do teatro". Seguiu-se um bate-boca, em tom exaltado. "Fui muitas vezes derrotado pelo PSDB, mas nunca vi um clima tão ruim, tão envenenado", queixou-se o líder do PDT, Jefferson Péres (AM). "Mas tenho certeza de que, daqui para frente, seremos inimigos e não adversários." O período de três horas foi mantido por Lobão, mas na retomada da sessão, os senadores continuavam com os ânimos exaltados. A oposição apresentou três votos separados contra os argumentos utilizados pelo relator. O confronto continuará na próxima semana, quando os recursos serão examinados no plenário. Mas não se encerrará com isso, já que o próximo passo da oposição será o de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.