Relator começa a apresentar voto sobre núcleo político

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, abriu a 24ª sessão de julgamento do processo do mensalão. O ministro Joaquim Barbosa, relator da ação, começa a apresentar na tarde desta segunda-feira seu voto sobre o envolvimento do ex-ministro José Dirceu e o chamado núcleo político no esquema de compra de apoio político de parlamentares e ex-parlamentares para apoiar o governo Lula.

RICARDO BRITO, Agência Estado

17 de setembro de 2012 | 14h50

De acordo com reportagem publicada nesta segunda-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo, Barbosa votará pela condenação de Dirceu pelo crime de corrupção ativa por ser o mentor do escândalo de compra de votos. Para chegar a essa conclusão, o relator reconstituirá toda a cadeia de fatos que levaria o mensalão para dentro do governo. O relator deve relembrar o contexto da vitoriosa eleição de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002, com os problemas financeiros da campanha e as dificuldades de montar uma base de apoio parlamentar sólida ao governo recém-empossado.

O ministro vai relatar as negociações políticas com os partidos que teriam sido conduzidas por Dirceu, passando pelas reuniões na Casa Civil com dirigentes do Banco Espírito Santo e do Banco Rural na presença do empresário Marcos Valério ou tendo-o como intermediário. O primeiro banco teria sido procurado para saldar dívidas do PT e o segundo, usado pelo esquema para distribuir recursos às siglas aliadas.

Ao votar pela condenação de Dirceu, Barbosa terminará de sepultar o que alguns ministros já consideram ultrapassado: a alegação de que o ''valerioduto'' foi um esquema para financiar despesas não contabilizadas de campanha. Prevalecerá entre os ministros, como admitem advogados e antecipam os magistrados, a versão de que o mensalão foi uma forma de o governo Lula, a partir de seu homem forte, Dirceu, formar uma sólida base de apoio.

Entre outros réus que serão julgados neste capítulo estão o ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares e o pivô do escândalo, ex-deputado e atual presidente do PTB, Roberto Jefferson. É provável que o voto do relator seja concluído apenas na quinta-feira.

Ao Estado, o ex-ministro José Dirceu demonstrou tranquilidade e disse não estar deprimido, ao contrário do que se dizia sobre ele. "Não estou deprimido, pelo contrário. Com a vitória hoje (domingo) do Timão, estou até feliz", disse no domingo em entrevista por e-mail.

Tudo o que sabemos sobre:
MENSALÃOJULGAMENTOABERTURA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.