Relações entre EUA e Brasil não mudam, diz embaixadora

A nova embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Donna Jhrinak, disse hoje, depois de entregar suas credenciais ao presidente Fernando Henrique Cardoso, no Palácio da Alvorada, que a destituição do embaixador brasileiro, José Maurício Bustani, da Organização para a Proscrição de Armas Químicas (Opaq), não vai representar nenhum problema nas relações entre o Brasil e os Estados Unidos. "Isso foi uma decisão tomada no fórum multinacional, por um grupo de países. Não tem nada a ver com a relação bilateral. Isso é notícia de ontem", afirmou. Sobre as discussões em torno da instalação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), a embaixadora admitiu que vai ser uma negociação difícil, não só entre os Estados Unidos e o Brasil, já que a questão envolve 34 países do hemisfério. "Se fosse fácil já teríamos feito", afirmou. Donna Jhrinak conversou com o presidente Fernando Henrique e com o ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, por cerca de 40 minutos, na biblioteca do Palácio da Alvorada. Ela elogiou o presidente brasileiro como "homem extraordinário" e disse acreditar na integração hemisférica.Donna Jhrinak elogiou a atuação do Brasil depois dos atentados terroristas de 11 de setembro. "Quando os Estados Unidos precisavam de um amigo, nos momentos mais difíceis, o Brasil respondeu. Organizou todo o hemisfério para aprovar a resolução de apoio na OEA e de invocar o tratado do Rio", afirmou a embaixadora, ao responder sobre a atual situação das relações bilaterais, depois das restrições dos Estados Unidos à importação do aço brasileiro, do afastamento de Bustani, e das discussões em torno da Alca. "Parceria não são só as coisas comerciais. Parceria é quando um país precisa de um amigo e outro país responde". Sobre as recentes declarações de autoridades do governo americano em referência à corrupção no Brasil, Donna Jhrinak respondeu diplomaticamente: "Acho que as mulheres são sempre melhores com as declarações". Donna Jhrinak já serviu no Brasil, no consulado de São Paulo, entre 1984 e 1987.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.