Rejeição a Dilma sobe de novo e vai a 65%, aponta Datafolha

Reprovação medida pelo instituto deixa petista a 3 pontos do pior índice já registrado; antes do impeachment, Collor marcou 68%

O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2015 | 19h43

O índice de reprovação ao governo Dilma Rousseff bateu novo recorde e chegou a 65%, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado, 20. A taxa, a pior já registrada pela petista, subiu 5 pontos em relação ao levantamento anterior, feito em abril.

Essa avaliação só não é pior dentro do histórico de pesquisas realizadas pelo instituto que a alcançada pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello em setembro de 1992, quando 68% dos brasileiros classificavam o governo como ruim ou péssimo - ele foi afastado do cargo dias depois.

 

Os índices de Dilma refletem as dificuldades do governo em apresentar uma “agenda positiva” e reverter o desgaste da presidente, atingida tanto pela crise econômica e fiscal como pelas investigações da Operação Lava Jato, que apura um esquema de corrupção na Petrobrás.

O levantamento, porém, foi feito antes da prisão de executivos da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, ocorrida na sexta-feira, 19. O instituto entrevistou 2.840 pessoas, em 174 municípios entre quarta e quinta-feira. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos. 

De acordo com o levantamento, 10% dos brasileiros avaliam o governo Dilma como bom ou ótimo. O índice corresponde a um terço da pior marca da presidente em seu primeiro mandato, em junho 2013, quando a taxa chegou a 30%, em meio à onda de protestos que se alastrou pelo País. Taxas semelhantes a essa só foram vistas antes nos momentos mais críticos do governo dos ex-presidentes Fernando Collor de Mello (1990-1992), Itamar Franco (1993-1994) e Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

Além de ver a reprovação subir, Dilma registrou oscilação negativa de dois pontos na aprovação - dentro da margem de erro.

A pesquisa revela ainda que Dilma tem perdido prestígio até entre o eleitorado mais pobre, que historicamente tem preferência pelo PT. De acordo com o Datafolha, o governo é aprovado por 11% das pessoas com renda de até dois salários mínimos, enquanto é reprovado por 62% dos brasileiros pertencentes a esse mesmo universo.

Os índices do governo Dilma entre os mais pobres é semelhante às avaliações feitas pelos brasileiros mais ricos, filão eleitoral onde o PT enfrenta maior rejeição. Entre os brasileiros que recebem mais de 10 salários mínimos, o governo petista é classificado como bom ou ótimo por 12% dos eleitores; e como ruim ou péssimo por 66% deles. 

A pesquisa Datafolha também traz recortes conforme a região do eleitorado. No Sudeste, região mais rica do País, 7% dos brasileiros aprovam a presidente. No Nordeste, reduto histórico do PT, o índice é maior, mas inferior ao tradicionalmente registrado na região: 14%. Nessa parte do País, onde a petista obteve vasta vantagem nas eleições do ano passado, a taxa de reprovação de Dilma é de 58%.

 

Eleições. O Datafolha também simulou cenários de uma futura eleição a presidente. Na primeira simulação, o senador Aécio Neves (PSDB) lidera a disputa, com 35% das intenções de voto, seguido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 25%, e pela ex-senadora Marina Silva (PSB), com 18%. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), os ex-deputados Luciana Genro (PSOL) e Eduardo Jorge (PV) aparecem com 2% das intenções de voto.

O Datafolha realizou uma segunda simulação e substituiu Aécio pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Nessas condições, Lula passaria a liderar a disputa, com 26% das intenções de voto. Em seguida, aparece Marina, com 25%, e depois Alckmin, com 20%. A margem de erro do levantamento é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos. Em 2006, Lula foi reeleito no segundo turno contra Alckmin.

A pesquisa ainda mostra pouco conhecimento dos eleitores em relação aos peemedebistas Eduardo Cunha (RJ) e Renan Calheiros (AL), presidentes da Câmara e do Senado: 35% desconhecem o deputado e 26%, o senador. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.