Reitor foi à Disney participar de Congresso, diz Unifesp

Segundo jornal, Ulysses Neto teria gasto quase R$80 mil em compras de cosméticos e material esportivo

Andréia Sadi, do estadao.com.br

15 de abril de 2008 | 13h36

O reitor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ulysses Fagundes Neto, teria ido à Disney "para participar de um Congresso", segundo nota divulgada pela universidade nesta terça-feira, 15. Matéria do jornal O Globo mostrou que, em um ano e meio o reitor gastou quase R$ 80 mil em compras de cosméticos, material esportivo, aluguel de carro e diárias em hotéis, um deles na Disney, em Orlando (EUA).  A assessoria da Unifesp disse ao estadao.com.br que o reitor dará uma coletiva para explicar o uso dos cartões nesta quarta-feira, às 15 horas. O reitor não foi à universidade nesta terça, "pois está em Brasília , a trabalho" e a assesssoria do órgão disse que ele não irá se pronunciar nesta terça.   Veja também: PF pode recolher outros computadores da Casa Civil Vazamento de dossiê contra FHC abre guerra dentro da Casa Civil Dossiê FHC: o que dizem governo e oposição PF pede a governo dados sobre segurança da Casa Civil PF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHC Dossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos    A Unifesp disse que as  diárias em um hotel em Orlando, nos Estados Unidos, dentro do parque foram pagas no cartão . Segundo a nota, na cidade aconteceu um congresso e uma reunião científica. O hotel teria sido reservado pela organização do evento.   De acordo com a Unifesp, as despesas feitas no exterior foram pagas com recursos das diárias de viagem, a que os funcionários têm direito quando viajam. "Se algum gasto ultrapassa o valor das diárias, é apontado na auditoria anual da CGU, sendo feito o ressarcimento dos gastos", diz a nota. Segundo a universidade, os excedentes foram ressarcidos pelo reitor em junho de 2007.   Durante reunião na CPI mista dos cartões, governo e oposição fecharam acordo, que permitiria também a convocação do reitor da Unifesp.   Leia a nota na íntegra:   A Unifesp esclarece que, como ocorre com todas as universidades e organismos federais, é regularmente submetida a auditorias anuais da Controladoria Geral da União (CGU). Nessas auditorias rotineiras, toda vez que alguma despesa é considerada inelegível, a instituição auditada faz as justificativas ou atende às recomendações.   Se ainda restarem pontos não-consensuais, a questão é encaminhada ao Tribunal de Contas da União para nova análise e decisão final.   No caso específico de algumas despesas do reitor feitas em 2006 com cartão corporativo, agora apontadas pela imprensa, cabe lembrar que já haviam sido auditadas, respondidas e tiveram solução encaminhada em 2007. Eventuais dúvidas remanescentes serão totalmente esclarecidas e, se pertinentes, atendidas por parte da Universidade.   Quanto às viagens feitas pelo reitor, todas foram previamente autorizadas, inclusive a que tem sido mais abordada pela mídia, a Orlando (EUA), onde se realizou, no mês de outubro de 2006, em hotel nas dependências da Disney World, o Congresso da Sociedade Norte-Americana de Gastroenterologia Pediátrica, Hepatologia e Nutrição, bem como a Reunião Científica da Federação Internacional das Sociedades de Gastroenterologia Pediátrica, Hepatologia e Nutrição (FISPGHAN), para organização do III Congresso Mundial da especialidade, que se realizará em agosto de 2008, em Foz do Iguaçu, do qual o professor Ulysses Fagundes Neto é o presidente. O reitor, como todos os congressistas presentes ao congresso em Orlando, hospedou-se no hotel reservado pela organização.   Quanto à viagem para a Alemanha, em junho de 2006, também previamente autorizada, refere-se à participação no 39º Congresso da Sociedade Européia de Gastroenterologia Pediátrica, Hepatologia e Nutrição e reunião científica para organização do Congresso Mundial. Compras   As despesas feitas em viagens foram lançadas no cartão corporativo e pagas com recursos das diárias de viagem a que todo funcionário tem direito quando trabalha no exterior ou com recursos próprios (quitadas antes do vencimento do cartão). As diárias variam de acordo com o cargo e a localidade da viagem.   Se algum gasto ultrapassa o valor das diárias e não é previamente pago com recursos próprios, a questão é apontada na auditoria anual da CGU, sendo feito o ressarcimento dos gastos. Nas compras realizadas pelo reitor da Unifesp e referidas em matéria de O Globo, os gastos no exterior que excederam o valor das diárias foram ressarcidos em junho de 2007.      

Tudo o que sabemos sobre:
Unifespcartões corporativos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.