Regras para repasse a ONGs economizará R$ 1,5 bi, diz governo

Medidas são uma tentativa de evitar desvio de recursos públicos e foram exigidas pelo TCU

João Domingos, do Estadão,

26 de julho de 2007 | 17h53

Os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e da Controladoria geral da União, Jorge Hage, disseram que as medidas do governo para restringir o repasse de recursos a ONGs e a Estados e municípios possibilitarão uma economia de R$ 1,5 bilhão.   As medidas, definidas nesta quinta-feira, 26, em decreto publicado no Diário Oficial, especificam procedimentos que devem ser observados para evitar desvio de recursos públicos. A partir de janeiro do próximo ano, fica proibida a assinatura de convênio com Estado e município no valor inferior a R$ 100 mil.   O governo decidiu não impor essa restrição às ONGS, mas passa a exigir que uma organização não governamental só poderá receber verba da União se nenhum de seus dirigentes tiver parente de até segundo grau exercendo cargo no executivo, legislativo e judiciário. A assinatura de convênios só será possível com a apresentação de documentação para comprovar a regularidade dos pagamentos de impostos federais, estaduais e municipais e junto ao FGTS.   Além disso, os convênios com valores acima de R$ 5 milhões passam a ter sua execução acompanhada por meio do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siaf), o que não acontecia. A população poderá acompanhar a execução de todos os convênios por meio do portal, que será criado pelo governo.   As medidas são uma tentativa de evitar o desvio de recursos públicos e foram adotadas após exigência formulada pelo Tribunal de Contas da União e a própria CGU, após a constatação de fraudes com recursos públicos identificadas na Operação Sanguessuga, quando foi denunciado superfaturamento de ambulâncias.   Segundo os ministros, o governo espera imprimir maior grau de eficiência na transferência de recursos públicos a Estados e municípios e ONGs. Eles informaram, ainda, que estão pendentes de análise um total de 92 mil processos montados a partir de contratos firmados com a União, sendo que alguns dos anos 70.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.