Regra para alianças nos Estados preocupa PFL

O PFL está apreensivo com eventuais mudanças nas normas das coligações partidárias para as eleições deste ano, que estão em exame na justiça eleitoral. Esse assunto foi um dos temas discutidos hoje em reunião da cúpula do partido, quando os liberais também acertaram um roteiro de reuniões para março, para mobilizar o PFL em torno da candidatura da governadora Roseana Sarney (MA) à sucessão presidencial. O presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), disse que "o mais correto" é manter a resolução adotada nas eleições de 1998, liberando os partidos a fazerem quaisquer coligações nos Estados, independentemente da aliança nacional. Para o senador, se a Justiça Eleitoral decidir pela verticalizalização das coligações, o fato representaria uma inovação. "Isso significa quebra do princípio da reserva legal", disse o pefelista, deixando claro sua preocupação com a possibilidade de o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não votar até 5 de março - data limite para a divulgação das normas eleitorais - consulta encaminhada sobre o tema pelo líder do PDT, deputado Miro Teixeira (RJ). Os pefelistas temem ser surpreendidos com a inclusão da verticalização diretamente nas normas eleitorais, sem uma discussão prévia do plenário do TSE, criando, assim, um fato consumado. No dia 7 de março - depois da divulgação das regras eleitorais - Bornahusen fará uma reunião com todos os presidentes regionais do PFL para discutir as alianças regionais. Uma eventual norma impondo aos partidos a manutenção da coligação nacional nas eleições estaduais prejudicaria o PFL, na avaliação dos próprios pefelistas. Seria, inclusive, uma forma de pressão que levaria a pré-candidata Roseana Sarney a sair do páreo da sucessão presidencial, por conta das dificuldades partidárias nos Estados. No roteiro discutido hoje pela cúpula do PFL estão previstos também outros encontros partidários com Roseana Sarney. A governadora fará reuniões com as bancadas da Câmara e Senado, além dos encontros regionais. Haverá ainda em março uma reunião da Executiva Nacional do partido com os governadores, também dentro do objetivo de mobilização em favor da candidatura da governadora maranhense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.