Rêgo Barros vai assumir a ANP

O embaixador do Brasil na Argentina, Sebastião do Rêgo Barros, aceitou o convite do presidente Fernando Henrique Cardoso para dirigir a Agência Nacional do Petróleo (ANP).A resposta foi dada formalmente pelo embaixador durante jantar, nesta terça feira à noite, no Palácio da Alvorada, com o presidente e os ministros das Minas e Energia, José Jorge, e da Casa Civil, Pedro Parente. Antes de assumir a ANP, Rêgo Barros terá de passar por uma sabatina do Senado.O ministro José Jorge disse, nesta quarta-feira, que a mensagem com a indicação do embaixador será enviada ao Senado o mais rapidamente possível, para que ele possa tomar logo posse do cargo.A ANP está sendo dirigida interinamente por um dos diretores da agência, Júlio Colombi. Na ANP, Rêgo Barros vai poder colocar em prática uma das suas principais características: a habilidade para negociar."Ele é duro quando tem que ser duro, mas é flexível no momento certo", definiu uma fonte do Itamaraty. A face de negociador duro não impede, porém, que Rêgo Barros seja considerado por amigos uma pessoa agradável, de trato fácil, bem-humorado e com charme pessoal.Alguns ressaltam também sua expressão juvenil, o que lhe valeu, no Itamaraty, o apelido de "bambino" (menino, em italiano). Coube a Rêgo Barros, nos últimos meses, comandar as polêmicas negociações comerciais com a Argentina, que passou por embates com o ministro da Economia, Domingo Cavallo, e exigiu lances de firmeza, como a suspensão das negociações para forçar o governo argentino a moderar suas posições."Nessa briga, nós ganhamos todas", afirmou um diplomata, citando, como exemplo, o recuo de Cavallo ao tirar os bens de informática da relação de produtos que teriam tarifa de importação zero, destinada a ajudar a recuperação da economia do país.A negociação foi sempre a tônica de toda a carreira diplomática de Rêgo Barros, que é formado em direito pela PUC do Rio de Janeiro, e em Economia pela Universidade de Georgetown, em Washington.Ele nasceu no Rio de janeiro em janeiro de 1940 e ingressou na carreira diplomática em 1963, quando formou-se no Instituto Rio Branco.Como chefe do Departamento Econômico do Itamaraty, entre 1986 e 1988, e subsecretário-geral para Assuntos Econômicos e Comércio, de 1988 a 1990, Sebastião do Rêgo Barros participou das primeiras negociações para a criação do Mercosul.Integrou também a delegação brasileira que participou do lançamento da rodada Uruguai, a grande negociação multilateral de comércio que culminou com a criação da Organização Mundial do Comércio (OMC).De 1990 a 1994, Rêgo Barros foi embaixador do Brasil na Rússia, onde se mostrou sempre preocupado em fazer negócios para o Brasil. Foi também secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores de 1995 a 1999, quando foi nomeado para a embaixada em Buenos Aires.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.