Refúgio a Battisti não tem motivação política, diz Genro

O ministro da Justiça, Tarso Genro, negou ontem que a decisão de conceder status de refugiado ao extremista italiano Cesare Battisti - cujo pedido foi apoiado por militantes de esquerda e intelectuais - tenha sido de natureza política. ?Quero ver apontarem algum erro jurídico nessa minha decisão?, disse o ministro, que na tarde de ontem visitou o Estado e concedeu entrevista à TV Estadão.O advogado de Battisti, Luiz Eduardo Greenhalgh, é ex-deputado federal pelo PT, mesmo partido de Genro. O ministro admitiu ter recebido Greenhalgh antes da concessão do benefício. ?Recebi também visitas do embaixador italiano, que manifestou o desejo de seu governo de que Battisti fosse extraditado?, disse o ministro.Segundo Genro, sua própria militância de esquerda não influenciou na concessão do benefício. ?Se fosse considerar a minha trajetória política pessoal, teria dado a extradição. Sempre deplorei esse tipo de atividade política, atentados pessoais, terrorismo, violência armada. Eu, na verdade, contrariei minha tradição política.? O ministro afirmou que tomaria a mesma atitude se Battisti fosse um militante de direita.Para ele, o extremista foi condenado a prisão perpétua sem que pudesse se defender propriamente. Ele nega participação nos quatro assassinatos de que é acusado. ?A procuração do advogado que o representou na Itália foi falsificada, segundo indica uma perícia. E seu único acusador, um ex-companheiro, fez acordo com a Justiça e mudou de identidade. Ou seja, desapareceu?, afirmou. Ao embasar sua decisão, Genro citou ainda o fato de o italiano ter sido reconhecido como refugiado por 11 anos na França, quando o país era presidido por François Mitterrand. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.