Reformas poderiam ter sido feitas há 15 anos, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje, no discurso de abertura da 44ª reunião da Frente Nacional de Prefeitos, em Aracaju, que as reformas já poderiam ter sido feitas há 15, 20 anos. As aprovação dessas reformas, segundo Lula, não é uma questão aritmética, com a adesão de um grande número de parlamentares, mas sim de decisão. "A decisão é saber se vai tentar na próxima eleição ou na próxima geração", disse Lula, referindo-se a presidentes anteriores que não conseguiram aprovar as reformas. "Não é o número de deputados que vai definir isso. O problema não é de maioria ou de minoria. É de compromisso com o País, de fazer as reformas", ressaltou o presidente, que foi a Aracaju para obter o apoio dos prefeitos às reformas previdenciária e tributária.Para Lula, se as reformas não forem feitas, não será possível pagar os aposentados daqui a seis ou sete anos. "Não posso contrair dívidas que impeçam meu sucessor de administrar", exemplificou Lula. "As reformas precisam ser feitas por causa disso". Ele insistiu que a reforma não é só do presidente ou dos governadores, como afirmam parlamentares, inclusive do próprio partido do presidente. "Obviamente, os deputados vão discutir as propostas da forma mais democrática possível. Mas as reformas não podem ser feitas de forma a não apresentarem mudança alguma?, acrescentou. "Todo mundo tem direito de ser contra ou a favor. Os que são contra, por favor, apresentem o dinheiro", sugeriu o presidente, em referência ao PDT e ao presidente do partido, Leonel Brizola, contrários à proposta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.