Reforma tributária pode ser votada até eleição, diz Palocci

Deputado disse também que irá subir em palanques e previu um desempenho 'muito bom' do PT nas eleições

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

17 de julho de 2008 | 14h48

O deputado federal Antonio Palocci (PT-SP) disse nesta quinta-feira, 17, que irá convocar os membros da Comissão Especial que analisa o mérito da reforma tributária para votar o relatório do deputado Sandro Mabel (PR-GO) 15 dias antes da votação da matéria em plenário. "A votação no plenário vai depender de uma definição dos líderes partidários e do presidente (da Casa) Arlindo Chinaglia (PT-SP). Após essa definição, a comissão será convocada duas semanas antes para votar o relatório", disse Palocci, que é presidente da comissão. Ele também afirmou que a reforma pode ser votada antes mesmo do primeiro turno das eleições deste ano, em outubro.   Veja também: Leia a íntegra da reforma tributária  Veja os principais pontos da reforma tributária   Principal estrela política petista na região de Ribeirão Preto (SP), o deputado disse também que irá subir em palanques e previu um desempenho "muito bom" do partido nas eleições municipais deste ano. "Eu tenho recebido pedidos dos candidatos da região e, dentro do possível e do tempo disponível, vou dar apoio", afirmou Palocci, que participou da inauguração da fábrica da Segmenta, de soluções parenterais (soros), na cidade do interior paulista.Segundo o ex-ministro da Fazenda, a Comissão Especial está pronta para votar a reforma, pois já foram realizados todos os debates previstos. "Além disso, o relator (Mabel) já tem uma minuta pronta do relatório", argumentou. Palocci voltou a prever que a reforma poderá ser votada antes do primeiro turno das eleições municipais. "Ou no final de agosto, ou no final de setembro, ou, no máximo, no início de outubro, o projeto será votado. A previsão é que este ano a reforma será aprovada", concluiu Palocci, que esteve hoje em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, para a inauguração de uma fábrica de soluções parenterais (soros).     Palocci evitou comentar se ainda existem os impactos políticos do escândalo do mensalão no partido e fez elogios ao candidato do PT em Ribeirão Preto, Feres Sabino, que foi seu secretário durante o primeiro mandato como prefeito entre 1993 e 1996. "O Feres é um ótimo candidato, foi uma ótima escolha que o PT fez e tenho confiança na capacidade dele", afirmou o deputado federal.   Já o atual prefeito e candidato a reeleição, Welson Gasparini (PSDB), provocou indiretamente Palocci durante discurso na cerimônia de inauguração. Entre as realizações citadas por Gasparini em seu governo, o prefeito citou "o lançamento do distrito empresarial", que foi viabilizado durante o governo do tucano, mas que era um projeto antigo de Palocci, que não conseguiu implementá-lo. Além de Gasparini e de Sabino, os também candidatos a prefeito Darcy Vera (DEM) e Rafael Silva (PDT), ambos deputados estaduais, também estiveram no evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.